DUFAY, GUILLAUME (1398 – 1474)

BÉLGICA
MÚSICA ANTIGA – INÍCIO DO RENASCIMENTO
(c.1398; Cambrai, 27 de novembro de 1474)

Guillaume Dufay, também Du Fay ou Du Fayt foi um compositor do início do Renascimento, da escola franco-flamenga. Figura central da Escola da Borgonha, considerado o mais famoso e influente compositor da primeira metade do século XV e um dos nomes mais importantes do período de transição da música medieval para a renascentista. Guillaume Dufay representou a primeira geração da Escola Borgonhesa. Seu modelo de missa polifônica, baseada no cantus firmus, teve grande aceitação entre os músicos até o final do século XVI.

Guillaume Dufay aprendeu música como menino do coro da catedral de sua cidade natal. Depois, foi chantre da capela pontifícia em Roma, Florença e Bolonha (1435-1437), além de músico do Duque de Sabóia. Há indícios de que, a partir de 1445, teria fixado em Cambrai a sua residência principal, fazendo, no entanto, numerosas, embora breves, viagens, principalmente às cortes de Borgonha e Sabóia, a Turim e a Besançon, no  Bourbonnais.

A sua celebridade foi então considerável, e a sua autoridade musical, que exerceu uma influência benéfica sobre uma grande parte da Europa. Como testemunho de admiração, os personagens mais ilustres deram-lhe a sua amizade – Carlos, o Temerário conta-se entre os seus legatários, bem como pensões, prebendas e títulos lucrativos: foi cantor do duque de Borgonha, cônego em Tournai, Bruges, Lausanne, Mons e, sobretudo, a partir de 1435, em Cambrai (França).

Obra

Homem de grande cultura, soube, ao longo das suas numerosas viagens, assimilar as técnicas francesa, inglesa e italiana, para delas fazer uma síntese surpreendente. Criou o modelo perfeito da missa polifônica construída sobre um cantus firmus (tema litúrgico ou profano que serve de base e fio condutor a toda composição), modelo cuja fecundidade se manifestou até o final do século XVI.

Escreveu 9 missas, entre as quais Se la face ay pale, L’Homme armé caput, Ecce ancilla domini, Ave Regina coelorum, 35 fragmentos de missas, 5 Magnificat, cerca de 80 motetos e hinos (sagrados ou profanos), 75 canções polifônicas francesas.

Leia também:

COMPOSITORES DA MÚSICA ANTIGA

Bibliografia:

. Wikipaedia.com
. História Universal da Música , Kurt Pahlen – Ed.Melhoramentos
. História da Música Ocidental, Donald J.Grout e Claude V.Palisca – Gradiva
. Guia Ilustrado Zahar da Música Clássica

Gostou? não esqueça de curtir, compartilhar ou deixar um comentário. Queremos ouvir você.